terça-feira, 15 de junho de 2010

O grande urso-polar do Ártico

NÃO consegue ver-me, não é? Percebo isso pelo modo como está olhando bem para a crista de gelo em que estou, sem mostrar qualquer sinal de medo. Está totalmente absorto na paisagem — não querendo fugir, como faria se soubesse que estou aqui. Visto que posso atingir velocidades de 40 quilômetros horários num esforço só eu estaria aí junto em questão de segundos!

Talvez se eu tirasse a pata da frente de meu nariz negro, poderia ver-me, mas não quero assustá-lo. Além disso, acabo de comer, de modo que prefiro descontrair-me, como nós, ursos, amiúde fazemos depois de comer.

Enquanto faço isso, acho que vou contar-lhe um pouco sobre mim mesmo! Abrangerá seu conceito sobre esta parte do planeta. Sou tão típico desta zona frígida que me chamam de “o próprio símbolo do Ártico”.

Nenhum comentário: