sábado, 22 de maio de 2010

O leão: majestoso felino jubado da África

Do Correspondente de “Despertai!” no Quênia

O SOL está nascendo na planície de Serengeti, na África. Sentados no nosso veículo, no período fresco da manhã, observamos um bando de leoas e seus filhotes. Seu pêlo amarelo-acastanhado e liso se confunde muito bem com o capim alto e seco. Os filhotinhos são brincalhões e cheios de energia. Pulam e brincam perto das grandes fêmeas, que parecem não ligar muito para as palhaçadas deles.

De repente, o bando fica “paralisado”. Todos os olhos voltam-se para longe. Do nosso ponto de observação elevado, seguimos o olhar deles e descobrimos o que lhes chamou a atenção. A luz da manhã revela a forma magnífica de um leão enorme. Nossos olhares e o dele se cruzam. Sentimos um arrepio, não por causa do frescor da manhã, mas por saber que ele nos observa. Sua aparência é atemorizante, porém bonita. Uma grande juba dourada com traços negros emoldura a enorme cabeça. Os grandes olhos alertas são cor de âmbar. Mas a família chama-lhe a atenção e ele, devagar, se vira e vai na sua direção.

Avança de forma imponente, quase régia. Sem olhar para nós outra vez, passa bem em frente ao veículo e se junta às fêmeas e aos filhotes. Todos se levantam para cumprimentá-lo e, um por um, esfregam a cara no seu focinho imponente, uma típica saudação felina. O macho vai para o meio do bando, joga-se no chão aparentemente exausto da caminhada e vira-se com a barriga para cima. Sua letargia é contagiante e logo o bando inteiro dorme leve sob os primeiros raios do quente sol da manhã. São a própria imagem da paz e satisfação em meio ao capim dourado, envergado pelo vento na planície.

Um comentário:

Anônimo disse...

excelente narração me vi lá também!

CONGRATULATIONS