sexta-feira, 23 de abril de 2010

Cães Treinados Como Guardas

Daí, há cães com vários graus de treino como guardas. Alguns talvez sejam treinados a ser obedientes, e desenvolvidos ao ponto em que pulam para proteger seu dono quando recebem ordem, ou ao serem provocados. Mas, apenas a um grau muito limitado, são treinados a morder.

É diferente com o “cão de guarda” plenamente treinado. Ele é treinado para lutar, e o poder de sua mordida é desenvolvido pela prática a ponto de poder quebrar um braço ou abocanhar uma clavícula. Aprende a proteger-se, bem como a seu treinador, dum punhal, dum revólver ou dum porrete. Tem-se comparado tal cão a um soldado profissional que talvez fique mais à vontade em combate do que na vida civil.

O cão é treinado numa coleira. O treinador o segura enquanto que um “agressor” agita-o com crescente agressividade — por meio de berros, gestos ameaçadores, por enfiar um pau redondo na virilha dele, e assim por diante. O “agressor” talvez tenha colocado grossas almofadas nas mangas do braço para proteger-se, ou talvez segure um saco de aniagem que o cão morde. A confiança do cão aumenta nestes ataques pois ele sempre faz o agressor fugir. Jamais perde. Assim, ensina-se-lhe a crer que possa subjugar qualquer oponente.

Um cão de guarda de elite é às vezes chamado de “cão de ataque”. Ao invés de apenas semanas ou meses de treino, talvez exija um ano ou mais. Tal cão pode custar uns Cr$ 30.000,00 ou mais. Não só protegerá seu dono, mas atacará uma pessoa específica ao receber a ordem. Tal cão, em todo sentido da palavra, é uma arma.

Nenhum comentário: