terça-feira, 20 de abril de 2010

É errado matar animais?




Alguns, como Sujata, que consideram os animais como iguais do homem, estão fortemente convencidos de que é sempre errado tirar a vida de um animal — mais ainda se for para comer. Não obstante, as Escrituras indicam que Deus diferencia a vida animal da vida humana, e permite o abate de animais por várias razões. Em Israel, um animal podia ser morto, por exemplo, se representasse uma ameaça à vida humana ou ao gado doméstico da pessoa. — Êxodo 21:28, 29; 1 Samuel 17:34-36.

Já nos tempos mais remotos, Deus aprovava o sacrifício de animais, na adoração. (Gênesis 4:2-5; 8:20, 21) Além disso, ele instruiu os israelitas a se recordarem do Êxodo do Egito por celebrarem anualmente a Páscoa, que incluía sacrificar um cordeiro, ou um cabrito, e comer a sua carne. (Êxodo 12:3-9) E, sob a Lei mosaica, havia outras ocasiões para oferecer animais em sacrifício.

Ao ler a Bíblia pela primeira vez, uma mulher hindu, de 70 anos, achou desagradável a idéia de sacrificar animais. Mas, com mais conhecimento das Escrituras, ela pôde ver que os sacrifícios que Deus ordenava tinham um objetivo. Eles apontavam para o sacrifício de Jesus Cristo, que iria cumprir o requisito legal para o perdão de pecados. (Hebreus 8:3-5; 10:1-10; 1 João 2:1, 2) Em muitos casos, as ofertas serviam também como alimento para os sacerdotes e, às vezes, para os adoradores. (Levítico 7:11-21; 19:5-8) Deus, a quem pertencem todas as criaturas viventes, tinha o direito de instituir tal arranjo, que tinha um objetivo. Naturalmente, depois da morte de Jesus, não mais se exigiam sacrifícios de animais na adoração. — Colossenses 2:13-17; Hebreus 10:1-12.

Nenhum comentário: